E na volta às aulas, como fica a saúde bucal?

Cárie, sapinho, mão-pé-boca, estomatite e outras infecções são comuns nessa fase de volta às aulas.

Estamos naquela época de volta às aulas. Algumas crianças irão pela primeira vez passar a frequentar a escolinha, e a verdade verdadeira é que o coração das mamães em adaptação também começa a se desesperar com tudo que pode acontecer, principalmente com as infecções possíveis. Por isso mesmo e principalmente para os que estão em período integral na escola, é muito importante manter a rotina de higiene de forma adequada.

Mas, como manter a higiene bucal na volta às aulas?

A emoção do primeiro dia de aula. A criança está linda e bem arrumada com uniforme limpinho. No entanto, ela entra para a sala de aula e começa: mão no chão, mão na boca, boca na chupeta do coleguinha, mão na boca de novo, papel na boca, pega lanche do amiguinho… E assim vai.

O coração da mãe pira, principalmente ao imaginar tudo o que pode acontecer. Quantas não gostariam de ser uma mosquinha para poder ver exatamente o que os pequenos fazem e assim ajudar a minimizar possíveis contágios de infecções que surgem ao escaparem de algumas regrinhas de higiene. Mas é possível estimular que elas mantenham os bons hábitos.

Além de sempre lembrar as crianças de lavarem as mãos, é importante separar junto com o material escolar e os lanches a escova de dente, o creme dental e uma toalhinha. Procure pela escova adequada à idade de seu filho e que, também, seja interessante para ele, com personagens ou de sua cor favorita, por exemplo. Assim, ele estará mais propenso a querer mostrar para os amigos e se lembrar de usar.

E como as crianças são “esponjinhas” que absorvem e colocam em prática tudo o que observam dos adultos, que tal permitir que os pequenos estejam por perto enquanto você escova os seus dentes, assim você pode fazer brincadeiras e cantar músicas que estimulem a escovação. Procure também sempre valorizar quando eles tiverem a atitude de escovar os dentes por contra própria, principalmente quando estiverem em algum ambiente longe de casa.

Cáries na infância e outras infecções comuns na fase escolar

A Organização Mundial da Saúde estima que a incidência de cáries em crianças na idade escolar é de 60% a 90%.  Nessa fase o consumo de doces é maior e, mesmo as crianças que não têm o hábito de levar em suas lancheiras as chamadas “besteiras”, muitas vezes acabam comendo da lancheira dos amiguinhos, por exemplo.

Outro ponto que torna essa incidência alta é que nem sempre a higiene realizada pelos pequenos é tão efetiva. Em casa é possível supervisionar mais de perto como a escovação foi feita, mas com a volta às aulas nem sempre isso é possível. Portanto, mantenha sempre em dia as visitas ao odontopediatra, que é o dentista especialista em atendimento infantil.

O dentista poderá realizar a limpeza semestralmente, aplica flúor de acordo com a idade e tomar as atitudes necessárias para estabelecer qual o tratamento necessário, sobretudo irá orientar sobre as melhores práticas para os cuidados com a boca. Mantenha o check-up em dia para que os dentes das crianças se desenvolvam da melhor forma.

Outras infecções comuns que podem acometer a boca nessa fase, mas têm o tratamento feito pelo médico pediatra são:

  • Sapinho: conhecida assim popularmente, o nome oficial da doença é monilíase ou candidíase oral. É causada por um fungo, o Candida Albicans, e ocorre por baixa resistência ou por contaminação. O sintoma mais comum é o aparecimento de pontinhos brancos na língua, na parte interna das bochechas, no céu da boca e no canto dos lábios. Por exemplo, se uma criança acabar pondo a chupeta de outra criança contaminada na boca, já pode desenvolver a doença. A higiene é fundamental para manter os pequenos protegidos.
  • Mão-pé-boca: é uma doença contagiosa causada pelo vírus Cosxackie. O principal sintoma são as feridas que aparecem na garganta, nas mãos e nos pés. É altamente contagiosa e se espalha pelo contato com saliva e secreções nasais. É muito comum até os 5 anos de idade, principalmente no primeiro ano em que as crianças vão para a escola. A doença apresenta também febre e dores de garganta. A melhor forma de evitar o contágio é mantendo bons hábitos de higiene, como por exemplo, lavar sempre as mãos e desinfetar áreas comuns.
  • Estomatite: embora o nome lembre estômago, a estomatite acomete a boca e tem a origem do nome no grego estômato que significa boca. Essa infecção geralmente é causada pelo vírus da herpes simples do tipo 1. Os sintomas são muitas aftas, dificuldade de engolir, dor de garganta e febre alta. Mais frequente no outono e no inverno, é transmitida pelo contato e ocorre principalmente entre crianças de 2 a 5 anos. A melhor forma de evitar é manter sempre limpos os objetos que são colocados na boca e ter uma boa rotina de higiene.

Todas essas infecções raramente geram complicações. Mas, com as orientações do pediatra se resolvem em até uma semana.

Da mesma forma que, o coração fica apertado de ver o seu pequeno crescendo, passando o dia na escola na volta às aulas, e com a possibilidade de vê-lo doentinho. É importante lembrar que estar com os amigos, convivendo no ambiente escolar é o início da caminhada rumo à autonomia.

Mantenha a visita ao dentista e as rotinas de higiene e assim as crianças se desenvolverão com muita alegria e aprendizado.

Leia também:
Amamentação e saúde bucal da criança.

Voltar ao topo

Pin It on Pinterest